Tecnologia

Será que vale pagar pelos novos serviços do Tinder?

Por Renata Deos

Há dois anos no ar, o serviço que reúne 15 milhões de casais por dia, a partir de novembro, cobrará por novos serviços. Em meio a tantos concorrentes, será que vinga?

Será que vale pagar pelos novos serviços do Tinder?

A novidade da semana é que o aplicativo, de encontro, relacionamento, amizade ou como queira chamar, Tinder terá novos serviços. Assim, Sean Rad, CEO e co-fundador do Tinder, anunciou durante um evento da revista Forbes nos Estados Unidos.

Como diz o velho ditado americano "There is no free lunch" (Não existe almoço grátis), os novos serviços serão cobrados.

Segundo Rad, já fazia parte dos planos da empresa desde o início ter uma área premium paga.

Como as novidades só entram no ar em novembro, o CEO não deu mais detalhes, nem preços. Falou por cima em capacidades para utilização, que não as originalmente pensadas para o aplicativo, como se relacionar com pessoas de outras localidades que não a da própria cidade, usos profissionais e comerciais do aplicativo (não é bem isso que você está pensando!) por músicos e artistas que divulgam seu portfólio e fazem contatos, etc.

Vendo a entrevista gravada fiquei com a impressão de que no discurso tudo é lindo, mas na prática, por mais que tenham mais de 1 bilhão de perfis visualizados por dia, fazer esse pessoal ver valor a ponto de pagar é algo bem, bem diferente. Ainda mais em um cenário de concorrentes com Match.com e Par Perfeito, Down (antigo Bang with Friends), Hinge e tantos outros.

O que você acha? Os planos do Tinder em faturar US$75 milhões em 2015 se tornarão realidade?

 

(Imagem: reprodução Tinder)